Bolsa para esporte: saiba como atletas podem conseguir investimento para os estudos

Você quer entrar na universidade, mas tem dificuldades financeiras? Se é atleta, esse problema pode ser resolvido com a bolsa para esporte. Já pensou? Nada melhor que conseguir investimento para seus estudos e, ao mesmo tempo, fazer o que gosta, não é mesmo? 😉

Essa é apenas uma das alternativas. Ainda assim, nem todo mundo se encaixa nesse perfil. Para entender se a alternativa é válida para o seu caso, criamos este post. Então, que tal saber mais?

O que são as bolsas para esporte?

A chamada Bolsa Atleta foi criada em 2005 para patrocinar os esportistas brasileiros. O objetivo é beneficiar profissionais de alto rendimento e que atingem bons resultados em competições nacionais e internacionais. Chegou a se reconhecer nessa explicação? Esperamos que sim!

O programa é mantido pelo Ministério da Cidadania, por meio da Secretaria Especial do Esporte. Em 2019, mais de 3 mil atletas foram patrocinados pela bolsa. O montante aplicado foi de R$53,6 milhões, mas a promessa do governo federal é que volte ao patamar de R$70 milhões.

Você ainda pode contar com iniciativas de universidades, prefeituras e governos estaduais. Os critérios costumam ser parecidos, com alguns detalhes diferentes. O importante, aqui, é saber que essa oportunidade está aberta para todos que se encaixem nesse conceito.

Qual é o propósito dessas bolsas de estudo?

O objetivo da Bolsa Atleta é apoiar o esporte nacional em suas mais variadas modalidades. Os resultados já foram sentidos nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016. Naquela edição, do total de atletas brasileiros convocados, 77% eram bolsistas. Das 19 medalhas conquistadas, apenas o futebol masculino não contava com esses esportistas.

Nos Jogos Paraolímpicos, 90,9% dos convocados eram bolsistas. Foram conquistadas 72 medalhas e disputadas 99 finais — todas com financiamento das bolsas para esporte. Agora você deve pensar: “ok, os dados são muito bonitos. Mas o que eu tenho a ver com isso?”.

A resposta passa pelos tipos de financiamento oferecidos. Quem sabe, você se ajusta a algum deles. Veja as opções:

  • base: contempla atletas de 14 a 19 anos indicados pelas confederações das quais fazem parte e ficaram até o 3º lugar nos eventos de 2017 — ano-base para o fornecimento da bolsa em 2019. O valor oferecido é de R$370;
  • estudantil: abrange atletas de 14 a 20 anos que ficaram até na 3ª colocação nos jogos estudantis de 2017. A bolsa também é de R$370;
  • nacional: é mais abrangente e financia atletas que ficaram nos três primeiros lugares no evento máximo da temporada de 2017. A bolsa é de R$925;
  • internacional: tem a mesma característica da anterior, mas é preciso que a boa colocação tenha sido em um campeonato mundial ou continental. O valor é de R$1.850;
  • olímpica ou paraolímpica: é repassada para atletas que representaram o País nos últimos Jogos Olímpicos ou Paraolímpicos e participam todos os anos de competições mundiais. A quantia é de R$3.100;
  • pódio: voltada para atletas profissionais que ficam entre os 20 melhores do ranking mundial de sua prova ou modalidade. O valor varia de R$5 mil a R$15 mil.

Quais são os desafios enfrentados para conseguir a bolsa?

A bolsa para o esporte parece ser desafiadora para você? É possível que, ainda que seja atleta, tenha percebido que há dificuldades — e o $$ recebido nem sempre é interessante, certo? Para explicar melhor quais são os desafios, listamos os principais aqui. Que tal conferir?

Manter o rendimento acadêmico e esportivo

O jovem precisa manter um bom rendimento escolar — qualquer que seja o nível educacional em que esteja — e esportivo. Alcançar esses objetivos pode ser difícil, já que, em um dos turnos, você deve estudar e nos outros dois, treinar. Achou muito complicado? Próximo!

Ter entre 14 e 19 anos

A maior parte das bolsas fornecidas é a de base, que requer a faixa etária entre 14 e 19 anos, além de uma boa colocação nos eventos e ser indicado pela confederação. No caso da modalidade estudantil, segunda mais abrangente, a idade máxima é 20 anos. Passou desse limite ou está próximo dele? Próximo!

Estar ligado a uma entidade de prática desportiva

O processo todo começa com a confederação. Sem estar qualificado nesse critério, você nem consegue entrar para a bolsa de base. Novamente, está fora desse critério, melhor chamar o próximo, viu?

Como fica claro, são exigidos muitos requisitos que nem sempre são fáceis de cumprir. Porém, há outras formas de conseguir dinheiro para financiar seus estudos. Além da bolsa para esporte, é possível fazer uma vaquinha online :O

Mais que conseguir o dinheiro necessário, você também pode escolher qualquer universidade para estudar. Assim, pode deixar a bolsa para esporte de lado e aproveitar o que a vaquinha tem a oferecer, que tal?

Link GIF: https://gph.is/2JLVHny

Então, que tal saber mais sobre essa modalidade? Acesse e veja o que é vaquinha online.

Crie sua Vaquinha

Deixe uma resposta: