Educação: conheça histórias de quem buscou ajuda do Vakinha para estudar

Todos nós temos sonhos, não é?! E alguns deles só poderiam ser realizados a partir de uma educação de qualidade. Apesar de estudar no Brasil ser um direito de todas as pessoas, há diversos desafios sociais e econômicos que impedem muitos de terem acesso a um bom ensino. A seguir, você vai conhecer a história de Mateus, Marlon e Emili, pessoas que estão buscando realizar os seus sonhos (e o de outras pessoas), por meio da educação.

Apesar de melhorias realizadas para que as pessoas tenham acesso a esse direito, o mundo ainda tem 750 milhões de analfabetos, de acordo com dados da Unesco. No Brasil, da população com idade igual ou maior a 15 anos são 11,3 milhões que não sabem ler ou escrever.

Quando se trata de ensino superior, há números positivos em relação ao ingresso das pessoas em universidades nos últimos anos. Mas, quando se trata da população brasileira entre 25 e 34 anos, apenas 21% concluíram o ensino superior, enquanto a média dos países que fazem parte da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) é de 44%, de acordo com pesquisa realizada pela ‘Education at Glance’ de 2019.

Mesmo com toda a dificuldade, estudar segue sendo o caminho para realização do sonho de muitas pessoas! É esse pensamento que motivou tantas campanhas que passam por aqui, assim como essas três que você vai conhecer hoje. Mateus, Marlon e Emili criaram vaquinhas online para arrecadar dinheiro e, dessa forma, conseguiram mudar o rumo de suas próprias histórias por meio da educação.

Mateus em Cambridge

A Universidade de Cambridge, no Reino Unido, é considerada a 6ª melhor do mundo, segundo a Times Higher Education, e um brasileiro de 17 anos foi aprovado para cursar Matemática por lá. Mateus do Carmo ganhou uma bolsa no concurso de redação Immerse College Essay Competition. A competição recebeu redações do mundo todo e a dele foi uma das selecionadas como uma das melhores, tendo como prêmio uma bolsa de 50% em Cambridge.

Mateus é natural de Rondônia, mais especificamente da pequena cidade de Nova Brasilândia do Oeste, e estudou praticamente a vida toda em escola pública. Aos 9 anos ele decidiu começar a aprender inglês por conta própria e essa atitude o ajudou bastante, uma vez que a redação que lhe rendeu a bolsa em Cambridge foi escrita inteira em norma culta da língua inglesa. Além disso, em 2017, Mateus recebeu vários prêmios acadêmicos e isso o ajudou a passar no processo seletivo do Instituto Federal de Rondônia para estudar o ensino médio.

O sonho de Mateus é se tornar docente e ajudar outros jovens a alcançar o que ele conseguiu: uma educação de qualidade no Brasil e no exterior. Sua trajetória em Cambridge começa em 2021, graças ao auxílio que ele recebeu de outras pessoas. O jovem criou uma campanha no Vakinha para arrecadar o valor dos outros 50% do curso e também para custear sua estadia por lá.

Com a meta batida e o sonho próximo de se tornar realidade, Mateus pretende mostrar seu dia a dia na Inglaterra e sua rotina de estudos em um canal no YouTube, como uma forma de mostrar para quem o ajudou na vaquinha online que o dinheiro investido nele valeu a pena.

Vakinha para permanecer na faculdade de medicina

Marlon tem 28 anos e sonha em ser médico. Ele está no 5º semestre do curso de Medicina na Universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc), em Criciúma, e trabalha como socorrista no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Com a cabeça totalmente voltada a realizar seu sonho, ele enfrentou um momento de extrema dificuldade para seguir estudando.

O estudante era bolsista na universidade, porém, o Governo de Santa Catarina modificou a política de concessão de bolsas e Marlon acabou perdendo o benefício. Somente com o seu salário não foi possível pagar o curso e ele teve que trancar a faculdade, uma vez que já acumulava uma dívida de R$ 34 mil. Por conta disso, o estudante resolveu criar uma vaquinha online para receber ajuda para pagar a dívida e seguir com o seu sonho de ser médico.

Com muito esforço e auxílio na divulgação da sua campanha, Marlon conseguiu o dinheiro necessário e muito mais. Sua vaquinha teve a meta praticamente dobrada pelas mais de 900 pessoas que o ajudaram doando. Em 24h, ele já tinha conseguido o dinheiro para pagar a dívida e seguir estudando no semestre seguinte.

Eles querem estudar!

As dificuldades na educação, como já mencionadas, não são somente no Brasil e há lugares no mundo com maior precariedade no ensino. Esta história envolve a brasileira Emili Maia, que é advogada, mas abdicou da profissão há dois anos para ajudar como voluntária em missões nacionais e internacionais.

Emili já foi para a África em quatro oportunidades, e na última, em Guiné-Bissau, ela permaneceu seis meses auxiliando as pessoas. Durante sua estadia no país, ela se deparou com o descaso das escolas públicas no ensino. Por conta disso, a brasileira começou a ajudar crianças e adolescentes a ter uma educação de qualidade. Em Bissau, capital do país, há apenas uma escola particular e o custo por estudante é de R$ 1.500,00. Com esse dinheiro é possível pagar o ano letivo, uniforme e material escolar.

Desde 2017, Emili já conseguiu ajudar 17 jovens a entrar na escola e ter uma educação de qualidade. Em 2020 ela quis fazer mais: seguir ajudando quem já estava na escola e contemplar mais quatro crianças e adolescentes no projeto. Para isso, ela criou uma vaquinha online para patrocinar o ano letivo de 2020/2021 de 16 jovens e conseguiu bater a meta. Com a ajuda de poucos apoiadores, mas com quantias significativas, essas pessoas de Guiné-Bissau terão a oportunidade de aprender e sonhar com um futuro melhor.

Como eu posso ajudar? 

Os casos contados aqui não são únicos e há muitas pessoas no Brasil buscando educação de qualidade. Em 2018, por exemplo, segundo dados do Instituto Nacional de Dados e Pesquisas (INEP), ocorreram cerca de 8,5 milhões de matrículas em instituições públicas e privadas de ensino superior, mas, muitas vezes essas pessoas enfrentam dificuldades financeiras e isso as impede de seguir estudando. Em outros casos nem mesmo há condições de ingressar em uma faculdade e o auxílio precisa ser maior.

Uma das formas de ajudar é buscando melhorias pela educação do local onde você mora Um bom ensino desde cedo auxilia no desenvolvimento das pessoas e forma cidadãos capazes de fazer a diferença em diversos setores da nossa sociedade.

Junte-se ao Vakinha

Você também pode ajudar pessoas que estão buscando educação de qualidade doando para campanhas aqui no Vakinha. Acesse vakinha.com.br e digite “educação”, “ensino”, “estudar” ou outro termo relacionado na caixa de busca do site. Em seguida, escolha uma campanha, conheça a história e contribua como puder! Uma pequena doação, uma simples mensagem ou compartilhamento pode fazer toda a diferença na vida de quem precisa. 

Vamos Juntos? Compartilhe esse post para que mais pessoas possam fazer o bem com você. Afinal, todo sonho pode começar aqui!  💚🐮 

E se você está precisando de ajuda ou conhece alguém que precisa: 

Crie uma Vaquinha Online agora mesmo


Redator do Vakinha, jornalista, amante de esportes e de boas histórias!

Crie sua Vaquinha

Deixe uma resposta: